ELIMINE A AUTOSSABOTAGEM DA SUA VIDA

Ficar atento aos bons hábitos é imprescidível para o sucesso, principalmente ao que se refere à saúde física e mental, entendendo como um novo comportamento é instalado.

Na verdade, somos condicionados o tempo todo sem percebermos, é como se fosse um transe hipnótico coletivo, instalando continuamente novos hábitos. E isso interfere na nossa vida de modo positivo ou negativo, dependendo da situação prazerosa ou estressante vivenciada.

E a compulsão para comer em excesso? Será que faz parte de um hábito desenvolvido, mais intenso ou tem uma relação com os circuitos cerebrais responsáveis por formar e manter esses hábitos?

De acordo com estudos desenvolvidos na área de neurociência, uma área do cérebro que recebe o nome de corpo estriado facilita a comunicação de uma serie de ações em uma única atitude, que é quando você deseja um doce, e ao tê-lo na sua frente, come sem avaliar se é bom ou não para você... mesmo que depois venha o arrependimento!

Então, vamos buscar nos condicionarmos a bons hátitos. Desejar algo doce na boca, e criar a disciplina de não ter esse doce ao seu alcance, ter uma fruta, por exemplo. A compulsão aos poucos diminui e com o tempo você pode voltar a ter hábitos alimentares saudáveis.

É um processo simples, mas ao mesmo tempo complexo de não se autossabotar, evitando as principais distorções que te impedem de fazer dieta, exercícios e alcançar o peso desejado.

Esses pensamentos sabotadores vêm recheados de componentes emocionais como: "não posso desperdiçar alimentos", quando me imponho regras arbitrárias, ou até passo a criar pensamentos autoilusórios - "já que exagerei um pouquinho, posso também comer tudo o que queser no resto do dia". Podemos chegar até o ponto de julgar que temos capacidade de ler a mente do outro - "minha amiga vai pensar que sou mal educada se eu não comer o doce que ela fez".

Enfim, sabemos que a nível consciente ninguém quer sabotar nada, mas as memórias instaladas no nosso inconsciente e as nossas cresças arraigadas são tão fortes, que acaba sendo até uma luta injusta entre o omocional e o racional. E nesta disputa, o emocional ganha, e você se delicia com um maravilhoso sundae neste verão permitido por Deus!

E a culpa? Deixe para o próximo verão, se Deus quiser!

E a sua saúde? Deixe para seu processo de autoconsciência e decisão, se Deus ainda te permitir!

(Cristina Souto Rigotti, psicóloga, neurocoach)